Blog

Dia do Consumidor: Veja dicas de direitos e deveres

março de 2018

Celebrado sempre em 15 de março, o Dia do Consumidor está chegando e ainda há muitas dúvidas em relação às relações de consumo estabelecidas em sociedade.

O crescente interesse pela data está, pouco a pouco, transformando-a num dia de incentivo ao comércio e promoções. Por isso, segundo o advogado Jossan Batistute, do escritório Batistute, Peloi & Advogados Associados, é preciso tomar cuidado. "É uma via sempre de mão dupla, pois a legislação regulamenta as relações contratuais entre fornecedor e consumidor", afirma. 

O advogado preparou algumas dicas para o consumidor, que devem ser observadas na relação com o fornecedor, da mesma forma que as empresas devem estar atentas nesta relação de consumo. Tudo para evitar quaisquer transtornos e obter uma prática saudável de compra e venda de produtos. "O Código de Defesa do Consumidor é norma de ordem pública e aplica-se independente da vontade das partes contratantes, se estivermos diante de uma relação de consumo", ressalta o advogado. 

1. Empresas são consumidoras?
-(art. 2º) Empresas também podem ser consideradas como consumidoras e terem todos os direitos garantidos na lei 8078/1990. Mas, será que estão atentas a tudo isso? Elas podem ter vários benefícios e legais vantagens materiais e processuais. 

2. Direito à informação 
- (art. 6º) Por ser um direito básico do consumidor, empresas devem atentar-se para a plena informação sobre os diferentes produtos e serviços, com especificação correta de quantidade, características, composição, qualidade, tributos incidentes e preço, bem como sobre os riscos que apresentem. E mais, isso precisa ser de maneira clara e adequada, levando-se em conta que o consumidor possa ser deficiente, idoso, jovem ou mesmo adulto, com baixo, médio ou alto conhecimento e compreensão. Entre os problemas estão rótulos com informações apenas técnicas, rótulos ou propagandas com letras minúsculas ou sem as informações necessárias à compreensão do produto/serviço, rótulos ou propagandas com informações noutra língua que não o português, etc. 

3. O fornecedor pode não ter culpa 
- (art. 12 e 14). O fornecedor não precisa ter culpa para ser condenado se seu produto ou serviço causar prejuízo a alguém. Entretanto, se ele provar que não colocou o produto no mercado ou que, embora haja colocado o produto no mercado, o defeito inexiste, ou ainda a culpa ser exclusiva do consumidor, como não seguir as orientações do fornecedor, não ler o manual e operar incorretamente o produto, então o fornecedor não será condenado. 

4. O produto saiu de linha. E agora? 
- (art. 32). Empresas devem manter peças e componentes de reposição por um prazo de 5 anos após o término da produção ou importação de determinado produto. Isso quer dizer que se o produto sair de linha não seja considerado lixo. 

5. Prazos legais 
- (arts. 26 e 27). Os principais prazos para consumidores exigirem seus direitos e empresas atenderem às solicitações são de 30 dias no caso de vícios de bens não duráveis e 90 dias se for um bem durável. Danos: 5 anos a partir da ocorrência do prejuízo. Outros prazos podem ser estabelecidos entre consumidor e fornecedor, que somam-se às garantias legais.

Fonte: www.bonde.com.br

COMPARTILHE

Categorias
Postagens recentes
maio 14, 2018

Instagram atinge marca de 1 milhão de anunciantes ativos

O Instagram celebra a marca de 1 milhão de anunciantes…

maio 14, 2018

Pesquisa: 92% das empresas brasileiras disponibilizam atendimento via redes sociais

Pesquisa realizada com 628 das mil maiores empresas…

maio 14, 2018

Conheça 5 novidades no Instagram que prometem mudar o modo que usamos o app

Preocupado em se atualizar e aumentar ainda mais a…